TechStart Agro Digital, iniciativa da Embrapa para impulsionar startups, contará com apoio do Google.

As startups que forem selecionadas para a fase de aceleração do programa vão contar com benefícios da plataforma Google Cloud, ferramenta de computação em nuvem oferecida pelo Google. Lançado em 2019, o TechStart Agro Digital é uma iniciativa promovida pela Embrapa Informática Agropecuária e a Venture Hub, voltada para o desenvolvimento e a escalada de novas soluções digitais para o agronegócio. Neste ano, as startups que forem selecionadas para a fase de aceleração do programa vão contar com benefícios da plataforma Google Cloud, ferramenta de computação em nuvem oferecida pelo Google.



No último dia 13, o programa deu início à sua segunda edição com a etapa de pré-aceleração (warm up), na qual 29 startups participarão de encontros on-line abrangendo conteúdos de negócios e tecnológicos. Até dezembro, será avaliado o estágio de cada proposta dos projetos das startups e serão escolhidas aquelas que vão para a fase seguinte de aceleração.

O programa vai contemplar treinamentos e mentorias especializadas para desenvolvimento e validação de produtos, vendas e acesso ao mercado, além de orientações nas áreas jurídica, de patentes e propriedade intelectual.

Na etapa de aceleração do programa, o Google Cloud vai oferecer aos participantes créditos para acessar seus serviços de computação em nuvem, que permitem armazenar assim como também fazer uso de ferramentas de análise de dados e de Inteligência Artificial.

Também serão distribuídos para as equipes participantes do programa Vouchers para certificação em tecnologias de nuvem, além da oferta de palestras técnicas, mentorias e workshops.

Potencializar a criatividade



Participantes a edição do ano passado.

“Estamos felizes de poder contribuir para acelerar o desenvolvimento do setor e potencializar a criatividade das startups provendo recursos que irão facilitar o desenvolvimento de novas soluções.” afirmou Milton Larsen Burgese, do Google Cloud na América Latina. “Temos um conjunto muito poderoso de produtos que certamente tem o potencial de turbinar positivamente a inovação no agronegócio no Brasil”.

O programa TechStart Agro Digital também conta com o apoio da divisão agrícola da Bayer, da empresa Airbus Defence and Space e da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Para a chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá, a transformação digital no campo vem acontecendo de forma rápida e é fortemente induzida pelo novo consumidor, mais preocupado com aspectos como nutrição, saúde, rastreabilidade e transparência dos produtos.

“Caminhamos para uma agricultura cada vez mais baseada em conteúdo digital, tecnologias de ponta e conectada, numa transição para o que chamamos de agricultura 5.0, onde dados e modelos vão auxiliar não apenas a tomada de decisão mas também possibilitar a automatização de muitos processos. O desafio para todo o setor é, a partir da convergência dessas diferentes tecnologias, agregar valor à produção”, ressalta.



A integração de tecnologias e os recursos baseados em computação em nuvem são comuns à maioria das startups que estão desenvolvendo soluções para o setor. É o caso da DigiFarmz Smart Agriculture, que oferece recomendações agronômicas inteligentes para o manejo das doenças na cultura da soja.

Por meio de uma plataforma digital, a startup combina dezenas de dados e informações ligadas à fitossanidade que vão auxiliar produtores e técnicos na tomada de decisão.

“Toda a nossa solução está na nuvem e a expectativa é a melhor possível em conseguir apoio para a escala também nesse lado da questão de tecnologia de infraestrutura e processamento”, afirma o CEO da startup, Alexandre Monteiro Chequim. Ele destaca ainda a oportunidade de, dentro de um programa focado no agro, receber o feedback de mentores como um suporte para o crescimento sustentável da empresa.

A Sintecsys é outra das startups pré-selecionadas para esta edição do TechStart Agro Digital. A empresa utiliza visão computacional para detecção automática de incêndios florestais e trabalha com metodologias para mensuração de emissões de dióxido de carbono (CO2) relacionadas a incêndios florestais e agrícolas, aplicando ferramentas preditivas e analíticas que integram diferentes sensores.

“Nossa expectativa com o programa é conseguir ter ainda mais eficiência no uso dessas ferramentas e também interagir de forma estratégica com as instituições, desenvolvedores e empresas parceiras do programa”, explica o CIO da Sintecsys, Osmar Bambini, que atua na área de inovabilidade (inovação e sustentabilidade).



O nível dos mentores e das startups selecionadas pelo programa e as oportunidades de interação também foram ressaltadas pelo CEO da Hortify, Vinicius Sossella. A startup trabalha com uma plataforma de gestão para o setor de hortifruticultura e aplica algoritmos inteligentes para gerar recomendações ao produtor que vão impactar na produtividade e rentabilidade do plantio.

Segundo Sossella, será importante poder trocar ideias e conhecimento com outros empreendedores que enfrentam desafios semelhantes e também com empresas, como o Google, sobre a implementação de serviços em machine learning e inteligência artificial.

Pedro Pimentel, co-fundador da Venture Hub, explica que na etapa de pré-aceleração do programa os empreendedores terão acesso a muito conteúdo, ferramentas, metodologias e networking para que, ao final, apresentem um diagnóstico da startup, seus desafios, planejamento e objetivos.

“Sempre enfatizamos às startups que estão iniciando este processo que aproveitem esse ambiente de colaboração entre os atores do ecossistema de inovação e tecnologia que conseguimos reunir no TechStart Agro Digital”, completa.

TechStart Agro Digital

A segunda edição do programa TechStart Agro Digital recebeu mais de 120 inscrições, de 15 estados brasileiros e 4 países diferentes, que apresentaram propostas de soluções dentro de oito temas: Agricultura de Precisão e Digital; Aquicultura – Manejo e Produção Aquícola; Automação e Robotização no Campo; Biotech e Bioinformática; Cadeia de Hortifruti; Gestão de Risco Agrícola; Identificação e Detecção de Pragas e Doenças; e Pecuária de Precisão.

Além dos treinamentos e mentorias, ao longo do programa, as startups selecionadas poderão utilizar a infraestrutura de coworking do Innovation Hub Campinas e terão acesso gratuito às informações e modelos agropecuários gerados pela Embrapa disponíveis na Plataforma AgroAPI.

A ferramenta contempla desde dados sobre cultivares e produtividade até zoneamentos agrícolas, acessados por meio de APIs (interface de programação de aplicativos, na tradução do inglês), e podem ser utilizados, por exemplo, no desenvolvimento de soluções para planejamento, monitoramento e gestão da produção.

Na primeira edição do programa, concluída em fevereiro deste ano, foram graduadas 11 empresas, que apresentaram soluções nas áreas de bioinformática, aplicação de defensivos, operações de crédito, agricultura de precisão, manejo de pastagens, irrigação inteligente, gestão da propriedade, uso de drones e cana-de-açúcar.

Ao menos cinco das startups receberam propostas de investimento durante o processo de aceleração. Três delas também foram selecionadas para a chamada de investimentos Pontes para Inovação, uma iniciativa da Embrapa, Cedro Capital e parceiros para conectar agtechs com investidores.

Conheça as startups pré-selecionadas para o TechStart Agro Digital


	3DGEO
	AgriPad
	AgroNeural
	Agrymet
	AgTech Academy
	AuRos Robotics
	Avalia
	BIOME4ALL
	Brasil Agritest
	Busca Terra
	Cogni Tecnologia
	CROPS TEAM
	DigiFarmz Smart Agriculture
	Dronagro
	Dýnamis Comércio e Serviços Ltda.
	Edroponic
	GARANTIA AGRONEGÓCIOS
	Geplant
	Hortify
	JetBov
	ManejeBem
	MBR Agro
	PecSmart
	RASTROVET
	Shooju Brasil
	SIGRIA
	Sintecsys
	SyraSolar
	Tau Flow


Fonte: A Lavoura

Jurídico, Gestão, Inovação e Tecnologia são os quatro pilares de consultoria no Agronegócio da Foraster Agrointeligência. 

Confira em Foraster.com.br

TechStart Agro Digital Contará com Apoio do Google

TechStart Agro Digital, iniciativa da Embrapa para impulsionar startups, contará com apoio do Google.

As startups que forem selecionadas para a fase de aceleração do programa vão contar com benefícios da plataforma Google Cloud, ferramenta de computação em nuvem oferecida pelo Google. Lançado em 2019, o TechStart Agro Digital é uma iniciativa promovida pela Embrapa Informática Agropecuária e a Venture Hub, voltada para o desenvolvimento e a escalada de novas soluções digitais para o agronegócio. Neste ano, as startups que forem selecionadas para a fase de aceleração do programa vão contar com benefícios da plataforma Google Cloud, ferramenta de computação em nuvem oferecida pelo Google.

No último dia 13, o programa deu início à sua segunda edição com a etapa de pré-aceleração (warm up), na qual 29 startups participarão de encontros on-line abrangendo conteúdos de negócios e tecnológicos. Até dezembro, será avaliado o estágio de cada proposta dos projetos das startups e serão escolhidas aquelas que vão para a fase seguinte de aceleração.

O programa vai contemplar treinamentos e mentorias especializadas para desenvolvimento e validação de produtos, vendas e acesso ao mercado, além de orientações nas áreas jurídica, de patentes e propriedade intelectual.

Na etapa de aceleração do programa, o Google Cloud vai oferecer aos participantes créditos para acessar seus serviços de computação em nuvem, que permitem armazenar assim como também fazer uso de ferramentas de análise de dados e de Inteligência Artificial.

Também serão distribuídos para as equipes participantes do programa Vouchers para certificação em tecnologias de nuvem, além da oferta de palestras técnicas, mentorias e workshops.

Potencializar a criatividade

Participantes a edição do ano passado.

“Estamos felizes de poder contribuir para acelerar o desenvolvimento do setor e potencializar a criatividade das startups provendo recursos que irão facilitar o desenvolvimento de novas soluções.” afirmou Milton Larsen Burgese, do Google Cloud na América Latina. “Temos um conjunto muito poderoso de produtos que certamente tem o potencial de turbinar positivamente a inovação no agronegócio no Brasil”.

O programa TechStart Agro Digital também conta com o apoio da divisão agrícola da Bayer, da empresa Airbus Defence and Space e da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Para a chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá, a transformação digital no campo vem acontecendo de forma rápida e é fortemente induzida pelo novo consumidor, mais preocupado com aspectos como nutrição, saúde, rastreabilidade e transparência dos produtos.

“Caminhamos para uma agricultura cada vez mais baseada em conteúdo digital, tecnologias de ponta e conectada, numa transição para o que chamamos de agricultura 5.0, onde dados e modelos vão auxiliar não apenas a tomada de decisão mas também possibilitar a automatização de muitos processos. O desafio para todo o setor é, a partir da convergência dessas diferentes tecnologias, agregar valor à produção”, ressalta.

A integração de tecnologias e os recursos baseados em computação em nuvem são comuns à maioria das startups que estão desenvolvendo soluções para o setor. É o caso da DigiFarmz Smart Agriculture, que oferece recomendações agronômicas inteligentes para o manejo das doenças na cultura da soja.

Por meio de uma plataforma digital, a startup combina dezenas de dados e informações ligadas à fitossanidade que vão auxiliar produtores e técnicos na tomada de decisão.

“Toda a nossa solução está na nuvem e a expectativa é a melhor possível em conseguir apoio para a escala também nesse lado da questão de tecnologia de infraestrutura e processamento”, afirma o CEO da startup, Alexandre Monteiro Chequim. Ele destaca ainda a oportunidade de, dentro de um programa focado no agro, receber o feedback de mentores como um suporte para o crescimento sustentável da empresa.

A Sintecsys é outra das startups pré-selecionadas para esta edição do TechStart Agro Digital. A empresa utiliza visão computacional para detecção automática de incêndios florestais e trabalha com metodologias para mensuração de emissões de dióxido de carbono (CO2) relacionadas a incêndios florestais e agrícolas, aplicando ferramentas preditivas e analíticas que integram diferentes sensores.

“Nossa expectativa com o programa é conseguir ter ainda mais eficiência no uso dessas ferramentas e também interagir de forma estratégica com as instituições, desenvolvedores e empresas parceiras do programa”, explica o CIO da Sintecsys, Osmar Bambini, que atua na área de inovabilidade (inovação e sustentabilidade).

O nível dos mentores e das startups selecionadas pelo programa e as oportunidades de interação também foram ressaltadas pelo CEO da Hortify, Vinicius Sossella. A startup trabalha com uma plataforma de gestão para o setor de hortifruticultura e aplica algoritmos inteligentes para gerar recomendações ao produtor que vão impactar na produtividade e rentabilidade do plantio.

Segundo Sossella, será importante poder trocar ideias e conhecimento com outros empreendedores que enfrentam desafios semelhantes e também com empresas, como o Google, sobre a implementação de serviços em machine learning e inteligência artificial.

Pedro Pimentel, co-fundador da Venture Hub, explica que na etapa de pré-aceleração do programa os empreendedores terão acesso a muito conteúdo, ferramentas, metodologias e networking para que, ao final, apresentem um diagnóstico da startup, seus desafios, planejamento e objetivos.

“Sempre enfatizamos às startups que estão iniciando este processo que aproveitem esse ambiente de colaboração entre os atores do ecossistema de inovação e tecnologia que conseguimos reunir no TechStart Agro Digital”, completa.

TechStart Agro Digital

A segunda edição do programa TechStart Agro Digital recebeu mais de 120 inscrições, de 15 estados brasileiros e 4 países diferentes, que apresentaram propostas de soluções dentro de oito temas: Agricultura de Precisão e Digital; Aquicultura – Manejo e Produção Aquícola; Automação e Robotização no Campo; Biotech e Bioinformática; Cadeia de Hortifruti; Gestão de Risco Agrícola; Identificação e Detecção de Pragas e Doenças; e Pecuária de Precisão.

Além dos treinamentos e mentorias, ao longo do programa, as startups selecionadas poderão utilizar a infraestrutura de coworking do Innovation Hub Campinas e terão acesso gratuito às informações e modelos agropecuários gerados pela Embrapa disponíveis na Plataforma AgroAPI.

A ferramenta contempla desde dados sobre cultivares e produtividade até zoneamentos agrícolas, acessados por meio de APIs (interface de programação de aplicativos, na tradução do inglês), e podem ser utilizados, por exemplo, no desenvolvimento de soluções para planejamento, monitoramento e gestão da produção.

Na primeira edição do programa, concluída em fevereiro deste ano, foram graduadas 11 empresas, que apresentaram soluções nas áreas de bioinformática, aplicação de defensivos, operações de crédito, agricultura de precisão, manejo de pastagens, irrigação inteligente, gestão da propriedade, uso de drones e cana-de-açúcar.

Ao menos cinco das startups receberam propostas de investimento durante o processo de aceleração. Três delas também foram selecionadas para a chamada de investimentos Pontes para Inovação, uma iniciativa da Embrapa, Cedro Capital e parceiros para conectar agtechs com investidores.

Conheça as startups pré-selecionadas para o TechStart Agro Digital

  • 3DGEO
  • AgriPad
  • AgroNeural
  • Agrymet
  • AgTech Academy
  • AuRos Robotics
  • Avalia
  • BIOME4ALL
  • Brasil Agritest
  • Busca Terra
  • Cogni Tecnologia
  • CROPS TEAM
  • DigiFarmz Smart Agriculture
  • Dronagro
  • Dýnamis Comércio e Serviços Ltda.
  • Edroponic
  • GARANTIA AGRONEGÓCIOS
  • Geplant
  • Hortify
  • JetBov
  • ManejeBem
  • MBR Agro
  • PecSmart
  • RASTROVET
  • Shooju Brasil
  • SIGRIA
  • Sintecsys
  • SyraSolar
  • Tau Flow

Fonte: A Lavoura

Jurídico, Gestão, Inovação e Tecnologia são os quatro pilares de consultoria no Agronegócio da Foraster Agrointeligência.

Confira em Foraster.com.br