Categorias
TecnologiaInovaçãoGestãoJurídicoTodos
Tags
Agro Agronegócio Empresas Empresários Covid Coronavírus Comex Exportação EUA China Brasil Economia Barreiras Agropecuária Campo Indústria Agroindústria Rural Forasteragro
Em 2019, uma pesquisa da empresa de consultoria Deloitte indicou que 71% dos empresários tinham boas expectativas para o ano de 2020. Em contrapartida, economistas afirmaram que era possível uma desaceleração econômica.

Com a chegada do coronavírus, foi gerado um grande desequilíbrio na cadeia de suprimentos da China, e de seus principais parceiros no mundo e de certo, isso acarretou numa queda de expectativas trazendo diversos impactos para a economia mundial.

“Além das barreiras que os brasileiros já enfrentam na importação e exportação de bens e serviços, com a situação que estamos vivendo, pessoas que trabalham e dependem do comércio exterior podem ter novos empecilhos no caminho”, explica Helmuth Hofstatter, especialista em comércio exterior e fundador da LogComex, startup de big data e inteligência para logística internacional.

Contratempos no setor


Supervalorização do dólar frente ao real pode reduzir volume das exportações. 

Hofstatter expõe algumas das razões pelas quais o ano de 2020 pode ter alguns contratempos no setor. Uma delas é a alta do dólar.

“Embora haja um senso comum a respeito do dólar mais alto no setor de exportação ser algo positivo, a verdade é que o volume das exportações reduz quando o dólar sobe. Ao analisar com mais cautela, é possível observar que muitas empresas dependem da importação de peças ou insumos para concluir a produção de determinados produtos e, com o dólar alto isso gera também aumento de custos para o consumidor final”, explica o especialista.

Segundo ele, com o dólar a um valor elevado, tanto as importações quanto as exportações são prejudicadas. Muitos profissionais da área de economia especulam que a moeda não deve voltar à casa dos R$ 4,00 tão cedo, trazendo preocupação para o segmento de comércio exterior.

Confiabilidade

Nível de desconfiança de investidores estrangeiros em relação a países da América do Sul chega a 85%.

O nível de confiabilidade do exterior nos principais países da América do Sul atualmente é de aproximadamente 56%, porém quando é analisado o nível de desconfiança, esse número dispara para 85%, segundo a mesma pesquisa citada mais cedo.

“Perceba que quanto menor a confiança, menor é o investimento. A consequência disso é menos infraestrutura, produção e qualidade, menos exportação e, então, menos empregos e renda”, analisa Hofstatter.

Essa questão influencia também as formas de pagamento das negociações, pois muitas empresas do exterior aceitam apenas pagamentos de frete e taxas adiantados por conta da grande desconfiança no Brasil. O especialista  destaca que a missão de importadores, exportadores, players do comércio exterior e principalmente do governo é reverter essa situação e mostrar que o Brasil pode ser um grande parceiro de outros países.

China e EUA

Em paralelo às adversidades que o nosso país enfrenta está a relação entre Estados Unidos e China.

Hofstatter alerta que, “com a guerra comercial estabelecida entre os países, apesar de Brasil e EUA possuírem muitos produtos semelhantes, a China constantemente opta por importar insumos do Brasil ao invés dos EUA. Visando uma relação comercial mais saudável, pode ocorrer um acordo entre Xi Jinping e Donald Trump, e então a China passe a optar por comprar produtos americanos. Por enquanto não passa de especulação, mas se acontecer, isso pode significar uma queda na balança comercial brasileira”.

Outra barreira que sempre existiu, segundo ele, é a dificuldade em encontrar mão de obra qualificada para se relacionar com parceiros no exterior.


Acordo entre Xi Jinping e Donald Trump, pode fazer com que a China compre produtos americanos ao invés de produtos brasileiros. 

“O grande empecilho é o idioma e encontrar funcionários que possuam inglês e até mesmo outros idiomas para negociar internacionalmente. Além disso, as empresas buscam colaboradores que sejam capazes de tomar decisões assertivas, solucionar problemas com agilidade e se preocupar intensamente com a qualidade do serviço prestado ao cliente”, explica.

Hofstatter lembra que mesmo que a quarentena na China esteja chegando ao fim, muitas indústrias brasileiras foram afetadas pela falta de material, linhas de produção pararam por falta de insumos importados do país.

“Por esse motivo é essencial que o Brasil busque diversificação de mercado para suprir sua demanda para produção, e reduzir riscos na dependência por determinado país”, afirma, e conclui:

“O desafio dos internacionalistas é desenvolver parcerias e fornecedores com outros países que possam suprir essa necessidade do mercado brasileiro”

Por LogComex

Fonte: A Lavoura

A Foraster Agrointeligência possui quatro pilares de assessoria e consultoria para seu negócio Agro - Jurídico, Gestão, Inovação e Tecnologia -
Acesse Foraster.com.br

Principais Barreiras da Exportação no Brasil por Conta da Covid-19

Em 2019, uma pesquisa da empresa de consultoria Deloitte indicou que 71% dos empresários tinham boas expectativas para o ano de 2020. Em contrapartida, economistas afirmaram que era possível uma desaceleração econômica.

Com a chegada do coronavírus, foi gerado um grande desequilíbrio na cadeia de suprimentos da China, e de seus principais parceiros no mundo e de certo, isso acarretou numa queda de expectativas trazendo diversos impactos para a economia mundial.

“Além das barreiras que os brasileiros já enfrentam na importação e exportação de bens e serviços, com a situação que estamos vivendo, pessoas que trabalham e dependem do comércio exterior podem ter novos empecilhos no caminho”, explica Helmuth Hofstatter, especialista em comércio exterior e fundador da LogComex, startup de big data e inteligência para logística internacional.

Contratempos no setor


Supervalorização do dólar frente ao real pode reduzir volume das exportações. 

Hofstatter expõe algumas das razões pelas quais o ano de 2020 pode ter alguns contratempos no setor. Uma delas é a alta do dólar.

“Embora haja um senso comum a respeito do dólar mais alto no setor de exportação ser algo positivo, a verdade é que o volume das exportações reduz quando o dólar sobe. Ao analisar com mais cautela, é possível observar que muitas empresas dependem da importação de peças ou insumos para concluir a produção de determinados produtos e, com o dólar alto isso gera também aumento de custos para o consumidor final”, explica o especialista.

Segundo ele, com o dólar a um valor elevado, tanto as importações quanto as exportações são prejudicadas. Muitos profissionais da área de economia especulam que a moeda não deve voltar à casa dos R$ 4,00 tão cedo, trazendo preocupação para o segmento de comércio exterior.

Confiabilidade

Nível de desconfiança de investidores estrangeiros em relação a países da América do Sul chega a 85%.

O nível de confiabilidade do exterior nos principais países da América do Sul atualmente é de aproximadamente 56%, porém quando é analisado o nível de desconfiança, esse número dispara para 85%, segundo a mesma pesquisa citada mais cedo.

“Perceba que quanto menor a confiança, menor é o investimento. A consequência disso é menos infraestrutura, produção e qualidade, menos exportação e, então, menos empregos e renda”, analisa Hofstatter.

Essa questão influencia também as formas de pagamento das negociações, pois muitas empresas do exterior aceitam apenas pagamentos de frete e taxas adiantados por conta da grande desconfiança no Brasil. O especialista  destaca que a missão de importadores, exportadores, players do comércio exterior e principalmente do governo é reverter essa situação e mostrar que o Brasil pode ser um grande parceiro de outros países.

China e EUA

Em paralelo às adversidades que o nosso país enfrenta está a relação entre Estados Unidos e China.

Hofstatter alerta que, “com a guerra comercial estabelecida entre os países, apesar de Brasil e EUA possuírem muitos produtos semelhantes, a China constantemente opta por importar insumos do Brasil ao invés dos EUA. Visando uma relação comercial mais saudável, pode ocorrer um acordo entre Xi Jinping e Donald Trump, e então a China passe a optar por comprar produtos americanos. Por enquanto não passa de especulação, mas se acontecer, isso pode significar uma queda na balança comercial brasileira”.

Outra barreira que sempre existiu, segundo ele, é a dificuldade em encontrar mão de obra qualificada para se relacionar com parceiros no exterior.


Acordo entre Xi Jinping e Donald Trump, pode fazer com que a China compre produtos americanos ao invés de produtos brasileiros. 

“O grande empecilho é o idioma e encontrar funcionários que possuam inglês e até mesmo outros idiomas para negociar internacionalmente. Além disso, as empresas buscam colaboradores que sejam capazes de tomar decisões assertivas, solucionar problemas com agilidade e se preocupar intensamente com a qualidade do serviço prestado ao cliente”, explica.

Hofstatter lembra que mesmo que a quarentena na China esteja chegando ao fim, muitas indústrias brasileiras foram afetadas pela falta de material, linhas de produção pararam por falta de insumos importados do país.

“Por esse motivo é essencial que o Brasil busque diversificação de mercado para suprir sua demanda para produção, e reduzir riscos na dependência por determinado país”, afirma, e conclui:

“O desafio dos internacionalistas é desenvolver parcerias e fornecedores com outros países que possam suprir essa necessidade do mercado brasileiro”

Por LogComex

Fonte: A Lavoura

A Foraster Agrointeligência possui quatro pilares de assessoria e consultoria para seu negócio Agro - Jurídico, Gestão, Inovação e Tecnologia -
Acesse Foraster.com.br

Nome é obrigatório.
E-mail é obrigatório.
Telefone é obrigatório.
Assunto é obrigatório.
Mensagem é obrigatória.
Captcha é obrigatório.